Palavra pastoral
Foto-papai_2_edited.png
É hora de retornar

No Evangelho de Lucas, 15:11-32, encontramos a parábola do Filho pródigo, na qual um jovem – filho de um rico fazendeiro – pede antecipadamente a sua parte na herança, sai da casa paterna e dissolve todo o seu patrimônio.

 

O significado da palavra pródigo, para muitos, está ligado a essa história narrada pelo Mestre. As pessoas acham que ser pródigo é deixar a casa paterna e envolver-se com farras, mulheres, bebedeiras etc.. Este entendimento está correto, apenas, em parte. Na realidade, ser pródigo é ser gastador, esbanjador. É aquele sujeito que não tem noção de valores e gasta tudo o que tem sem se preocupar com as consequências.

 

Neste ponto, a história do filho pródigo se parece com a de muitos cristãos, que, embora estejam na casa de Deus, gastam todos os seus créditos, por entender que isto lhes é garantido por direito, ainda que seja à revelia do Pai. São aqueles que estão a exigir do Senhor suas bênçãos, e até, a gastarem-nas por conta, antes de recebê-las. São aqueles que vivem a insistir que, por serem filhos de Deus, podem, e devem, usufruir desse privilégio em detrimento da vontade do Pai, pois “Ele é amor e, no final, sempre perdoa”.

 

Há muitos pródigos na casa do Pai. Pessoas que não medem as consequências e não atentam para a obediência. Pessoas que, pelo fato de estarem frequentando uma igreja, acham que Deus tem obrigação de lhes atender em tudo que querem.

 

Entretanto, é hora de as pessoas que agem assim acordarem e retornarem à casa do Pai (mesmo que dela não tenham saído). Acordar significa deixar os seus gestos de prodigalidade; retornar significa buscar a vontade do Pai. Deixar que Ele os conduza pelos caminhos Dele. Ser obediente sem “exigir” nada que contrarie a vontade do Senhor.

 

       Na história narrada por Jesus, o pai do jovem pródigo, ao vê-lo retornar à sua casa, alegrou-se e restituiu-lhe o status quo ante, ou, em outras palavras, permitiu que ele desfrutasse de tudo que ele – o pai – possuía.

 

Conclui-se que, quando se resolve retornar, mesmo que isto signifique abrir mão de “direitos” se ganha muito mais, pois tudo que o Pai possui está disponível para o filho.

 

É hora de retornar, então! 

 

Seja abençoado.

Pr. Valter Vandilson Custódio de Brito