Indonésia

Indonésia.png

Na Indonésia, a situação dos cristãos vem se deteriorando nos últimos anos, com a sociedade indonésia assumindo um caráter islâmico mais conservador. Cristãos que cresceram em um lar muçulmano muitas vezes experimentam perseguição da família. No entanto, a intensidade da perseguição varia de acordo com a família e o local onde os cristãos vivem. Em muitas casas, as famílias abusam verbalmente dos familiares cristãos e os isolam por causa da fé. Apenas uma pequena porcentagem de convertidos enfrenta violência física por causa da fé cristã.  

 

O nível de perseguição também depende da região da Indonésia onde os cristãos vivem. Em certos pontos, como Java Ocidental ou Aceh, grupos islâmicos extremistas são fortes e influenciam a sociedade e a política. Se pegarem cristãos evangelizando, os cristãos podem ter problemas. Além disso, grupos de igrejas não tradicionais tendem a ter dificuldades para obter permissão para construir igrejas. Mesmo que consigam cumprir todos os requisitos legais (inclusive processos judiciais vencedores), as autoridades locais ainda os ignoram frequentemente.  

 

Houve alguns desenvolvimentos positivos na Indonésia. Como relatado pelo Jakarta Post, pela primeira vez desde que assumiu o cargo, o presidente Joko tem falado cautelosamente contra as dificuldades que os cristãos e outras religiões minoritárias enfrentam quando querem criar um novo local de adoração.  

 

A Indonésia subiu duas posições na Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2021 em comparação com a LMP 2020. Isso se deve principalmente ao fato de que mais pressão contra os cristãos foi relatada, resultando em um aumento da pressão em quase todas as esferas. Não houve ataques a bombas contra igrejas pelo segundo ano consecutivo, mas os cristãos ainda podem ter dificuldade de se encontrar. Um pastor em Papua foi morto, supostamente por um soldado do governo, e mais de 50 pessoas foram despejadas de suas terras em East Nusa Tenggara. Dezenas de extremistas islâmicos foram presos pelas autoridades e os ataques foram frustrados.  

 

O principal foco de perseguição na Indonésia é a província de Aceh, na ponta noroeste de Sumatra – a única província governada pela sharia (conjunto de leis islâmicas). As igrejas foram fechadas em larga escala em outubro de 2015, e a construção de novas igrejas é impossível na região, e muito difícil em outras províncias. Os convertidos do islã correm o risco de enfrentar severa oposição em muitas partes da Indonésia, mas os cristãos ex-muçulmanos em Aceh provavelmente enfrentam a pressão mais forte. 

 

Fonte: portasabertas.org.br